Please reload

Posts Recentes

A hidden revolution: FRP rebar gains strength

February 16, 2017

1/2
Please reload

Posts Em Destaque

Ataque em estruturas de concreto por ação de cloretos.

A ação de íons cloretos (Cl¯)nas estruturas de concreto além de severo provoca a despassivação do aço muito mais rápida, bem como a corrosão localizada, com surgimento de trincas e desplacamento do concreto. Nas estruturas próximas as áreas litorâneas a ação dos íons cloretos é mais efetiva e muito mais severa que o ataque por íons sulfato, nas áreas de regiões próximas do mar.

 

 

Conforme estudos técnicos já comprovados a velocidade de corrosão em regiões marítimas (quanto mais próximo do mar) tende a ser até 40 vezes maior do que em ambiente rural, e os danos são ainda mais intensificados nas estruturas em contato direto com a água do mar, com ciclos alternados de molhagem e secagem (zonas de “splash”). 

Sendo que o valor da concentração critica de cloreto depende diretamente de alguns fatores como pH, teor de aluminato tricálcico (C3A) no cimento utilizado para o concreto, porosidade, teor de umidade do concreto dentre outros.

O valor do teor critico de cloreto (expresso em cloretos totais ou solúveis em ácido definido pela metodologia de análise: Volumetria de Precipitação - Método Argentimétrico), adota-se a concentração critica igual á 0,4% em peso com relação ao teor de cimento do concreto, o norma NP EN 206 – Concreto.

A penetração de íons cloreto para o concreto pode ocorrer devido a: interação com o meio ambiente quando este esta carregado de sais de cloreto de sódio, no consumo de sais de degelo, na utilização de aditivos ou agregado contendo íons cloreto na fase de produção do concreto.

A velocidade e profundidade da penetração dos íons cloretos nas estruturas de concreto dependem de algumas condições, dentre elas:

a. A concentração de C3A (aluminato tricalcio) ou C4AF (aluminoferrotetracalcio) presente na pasta de cimento que determina a capacidade de combinação destes compostos com o íon cloreto. Cimento em sua composição que apresentam baixa concentração desses compostos possui pouca capacidade de reação com os íons cloretos (presente na maresia), esta reação que forma um sal complexo insolúvel, cloro-aluminato de cálcio hidratado (sal de Friedel: C3A.CaCl2.10H2O), que reduz a concentração de íons cloreto livres na solução aquosa que se acumulam nos poros da superfície do concreto.

b. Fator de água/cimento, adensamento e cura, pois quanto menor a relação de água cimento menor será a porosidade e também menor será a entrada de agente agressivos na estrutura de concreto. O adensamento e a cura possuem um efeito sobre as propriedades de transporte de pastas de cimento endurecidas e conseqüentemente a difusão dos íons cloretos para o concreto. Lembrando que difusão é um fenômeno físico, onde as moléculas por ação da energia térmica se movem constantemente em um fluido, que pode ser líquido ou gás, promovendo a passagem do soluto para regiões de menores concentrações.

c. Do grau de saturação dos poros e a concentração de íons cloreto na superfície do concreto, pois a penetração de íons cloreto para o interior do concreto ocorre através do fenômeno da difusão e/ou pela sucção capilar da água que os contém e se acumulam na superfície do concreto, quando ocorrem ciclos de umedecimento e secagem.

d. Do grau de fissuramento na estrutura, a primeira área a ser atingida pelo íons cloreto é a que apresenta maior grau de fissuramento, pois essas áreas criam regiões anódicas no interior das fissuras e regiões catódicas maiores fora delas. A velocidade em que a corrosão se desenvolve depende da abertura, profundidade da qualidade do concreto e da relação entre área catódica/anódica.

 

 

Embora algumas publicações sugere o uso de cimento com alta resistência a sulfatos (devido que na água do mar também ha presença de sulfatos) estes não devem ser aplicados por serem mais permeável aos íons cloretos. Para áreas sujeitas a ação de cloretos é mais indicado a utilização de cimentos de alto-forno, pozolânicos e com baixo teor de C3A.

O ataque de íons cloreto nas estruturas de concreto além de grave e rápida e atenta para solidez e segurança necessitando de inspeção, ensaios e projeto especifico para recuperação/intervenção, e que deve ser realizado por profissional e empresa capacitados.

 

Há ensaios específicos que determinam o grau da agressividade e a concentração critica dos íons cloretos na estrutura de concreto, mais detalhes técnicos e específicos enviar email para: gestaodenegocios@petraconultoria.com.br / ou tel: (21) 97551-2626.

Share on Facebook
Share on Twitter